O que é fitato e o que ele faz no nosso corpo?

Data: 11/11/2014


O que é fitato e o que ele faz no nosso corpo?

O fitato é um composto que está naturalmente presente nas leguminosas como feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico, em algumas nozes e também nos cereais como arroz, trigo, milho, aveia, centeio e seus farelos. 

Quando ingerimos alimentos que têm fitato, esse composto se liga a sais minerais como o zinco, ferro e cálcio no nosso intestino, impedindo que o corpo aproveite bem estes nutrientes. Por este motivo, o fitato é chamado de antinutriente. Para podermos aproveitar melhor os nutrientes tão ricos para a saúde, precisamos tornar inativo o fitato desses alimentos. 

Como diminuir o fitato dos alimentos?

Durante a digestão já ocorre uma pequena diminuição do teor de fitato presente nos alimentos. Isto acontece porque uma enzima que existe nos alimentos e também em nossa flora intestinal é responsável pela quebra do fitato, fazendo com que diminua o seu poder antinutriente. 

É necessário, no entanto, utilizar outros procedimentos no preparo do farelo para eliminar o fitato. Durante a preparação dos alimentos, podemos diminuir o fitato das seguintes formas: 

- por meio do calor - sempre que utilizamos o farelo em preparações onde ele é torrado, assado, cozido ou frito estaremos diminuindo a quantidade de fitato, porque o calor é capaz de fazer essa modificação. O calor que mais elimina o fitato é o cozimento. Por este motivo, é necessário que os farelos sejam cozidos junto com os outros alimentos que se deseja enriquecer, como arroz, feijão, mingau, sopas e outros alimentos. A torrefação do farelo não tem grande poder de eliminar o fitato. No entanto, devemos continuar a torrar o farelo para eliminarmos boa parte da umidade e dos micróbios presentes nesse alimento. E, torrado, o alimento se conserva por mais tempo. 

- fermentação - o fermento biológico usado para fazer o pão, ajuda a diminuir o fitato presente nos farelos. Quanto maior o tempo de fermentação, menos fitato terá o pão. 

- germinação - durante a germinação dos grãos, o fitato é transformado em compostos que são úteis para o nosso desenvolvimento. Os brotos são alimentos vivos, possuindo alto teor de nutrientes. 

- impregnação - é deixar o alimento de molho. Para reduzir a quantidade de fitato é bom deixar o alimento de molho. O tempo ideal é 12 horas. Não deixe passar disso porque quando o alimento fica de molho por mais de 12 horas, o fitato acaba voltando para dentro do alimento. 

É uma riqueza muito grande a gente saber utilizar bem os alimentos. É o sucesso que precisamos incentivar e observar em detalhes. 
Portanto, além de torrar o farelo, é importante também cozinhá-lo para aproveitarmos melhor os nutrientes. Ao comprar farelos de trigo e de arroz é importante dizer que é para consumo humano e perguntar de onde veio. Se for possível, compre o farelo diretamente do moinho ou usina, evitando intermediários, que talvez não se preocupem tanto com a higiene dos farelos. 
Procure obter o farelo mais novo, ou seja, quando estiver saindo da máquina. Dentro de 24 horas, você deve peneirar e torrar este farelo para evitar que fique rançoso, diminuindo a umidade e a contaminação. A quantidade de farelo para torrar na panela deve ser de no máximo 1/3 da capacidade da panela. O farelo deve ser torrado por um tempo entre 20 e 25 minutos, em chama baixa, mexendo sempre, de preferência com colher de pau. Deixe o farelo torrado esfriar. O recipiente onde se coloca o farelo deve ser lavado com água e sabão e desinfetado da seguinte maneira: prepare uma solução com duas colheres de sopa de hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária para cada litro de água; umedeça um pano limpo nessa solução, esfregue na parte interna da vasilha e deixe secar. 

Não é aconselhável comprar farelo em casas de ração. Este farelo pode estar sujo e contaminado. Não serve para consumo humano. 

Vamos ajudar nosso corpo a aproveitar melhor os minerais? 

Os sais minerais e as vitaminas são nutrientes indispensáveis para o funcionamento do nosso organismo. São encontrados principalmente nas hortaliças e nas frutas. Eles também ajudam na prevenção de muitas doenças e devem fazer parte da nossa alimentação de todo dia. Para que o nosso corpo absorva melhor o ferro dos alimentos, combatendo assim a anemia, devemos comer em cada refeição alimentos ricos em vitamina A e vitamina C: 

- frutas: goiaba, limão, laranja, abacaxi, acerola, caju, mamão, banana, manga, kiwi e outras; 

- folhas verde-escuras: batata-doce, caruru, couve, bredo, bertalha, beldroega, taioba, salsinha, coentro e outras; 

- hortaliças amarelas e alaranjadas, como a cenoura e a abóbora. 

Outras fontes de vitamina A são o azeite-de-dendê, os ovos, o leite, o fígado e outras. 

A vitamina C é destruída quando cozinhamos os alimentos e também quando preparamos com antecedência. Assim, devemos dar preferência aos alimentos frescos e crus (saladas, frutas e sucos de frutas feitos na hora de consumir) se quisermos ter esta vitamina. 

Quanto mais forte for a cor dos vegetais, 
mais ricos em vitaminas e sais minerais eles são. 

Para melhorar a absorção do zinco devemos consumir alimentos ricos em proteína. Os alimentos mais ricos em proteína são: 

- os cereais: milho, arroz, trigo, aveia, centeio e outros; 

- as leguminosas: feijão, soja, ervilha, lentilha, grão-de-bico, fava e outros 
- as sementes: gergelim, abóbora, girassol, melão e outras; 
- as oleaginosas: amendoim, nozes, castanha-do-pará, castanha-de-caju e outras. 

- os de origem animal: carnes, peixes, leite, ovos e queijos. 

A vitamina D ajuda o organismo a absorver o cálcio dos alimentos. Encontramos vitamina D na gema do ovo, fígado, manteiga, peixes gordos, óleo de fígado de bacalhau, frutos do mar e outros. Os raios solares, especialmente nas primeiras horas da manhã e diretamente na pele das pessoas, são importantes para que a vitamina D seja ativada e melhor aproveitada pelo corpo. 

As vitaminas A, C e D, as proteínas e outros nutrientes são chamados de facilitadores porque ajudam o corpo a absorver melhor os nutrientes. 

Nenhum alimento é completo. Um alimento pode ser rico em uma das vitaminas e pobre em outras, ou rico em cálcio e pobre em ferro. Por isso, nossa alimentação deve conter uma variedade de alimentos, pois uns completam os outros. Se a gente olha para um prato de comida e ele tem alimentos de muitas cores, temos um sinal de variedade de nutrientes. Esta variedade ajuda a pessoa a ter mais saúde. 

Portanto, vamos seguir as orientações para que crianças, adolescentes, gestantes, adultos e pessoas idosas tenham boa saúde e se sintam muito bem.

Fonte: 
Coordenação Nacional da Pastoral da Criança 
MAIO DE 2.000 - nº 14 (2ª edição)

 

← Voltar

 

 

 

 

Conheça nossos produtos

 

 

 

Cadastre o seu e-mail ao lado e acompanhe as nossas novidades: